28 de setembro de 2015

Tudo sobre sondagens


A minha teoria é esta:

As pessoas que estão contra o atual Governo, são as que foram mais implacavelmente destruídas pela sua política.
A crise entranhou-se-lhe definitiva e brutalmente nos ossos, o IVA a 23% irrompeu-lhe pela pele qual chaga putrefacta, o desemprego fechou-as numa caixa que para caixão só lhe faltam os 7 palmos de terra. 
Encontram-se em estado apático, catatónico, sem saber o que fazer da vida, descrentes, totalmente desiludidas com o rumo da sua vida, e do seu país.
São estas pessoas que em última instãncia não votarão no dia 4 de outubro.
Parece-lhes, à luz dos últimos acontecimentos políticos, sociais e pessoais, que nada mudará, que tudo ficará como antes.
Continuam sem médico de família, os filhos continuam a emigrar à custa de lhes faltar o emprego e o futuro, as escolas segregam alunos e professores, os hospitais investem cada vez menos empurrando famílias sem um tostão para os hospitais particulares (que mais do que duplicaram o lucro em 2014), as mães continuam sem o ser, o interior é devolvido ao seu estado selvagem e as cidades sem rei nem roque amontoam-se de tuk-tuks para inglês ver.  
Enganam-se. É a sua descrença que os engana.
Nada mais nos resta senão a mudança, mesmo que a merda seja invariavelmente a mesma.

28 comentários:

  1. Ora ainda ontem debati esse assunto (controverso) com familiares, vejamos:
    - Ah e tal e porque os mais velhos, só vêem o partido e não a forma como foi levado a cabo o mandato, (não discordo),
    - Isto está uma verdadeira bosta e não vamos mudar nada, (completamente contra este tipo de opinião),
    - Eu la quero saber de eleições, eles só sabem por dinheiro ao bolso, etc... ( o que faço com estas mentalidades?)
    E depois opino eu, no meio desta assembleia familiar, porque esta gente esquece que morreram milhares de pessoas, para hoje termos, não o direito, mas sim o dever de votar!
    - Ora todos, pelo que fazem parecer não vão votar, porque acham que isto está mal e nunca estará melhor? Pois se calhar o erro está aí, porque como vocês muitos se abstém, mas esses todos juntos, poderiam fazer a diferença numa contagem de votos, para não falar que são os primeiros a criticar e ao fim das contas, direito para pôr a boca no trombone não tem é nenhum, porque estar na tasca, soube muito melhor que tirar 5/10mn para votar! (ja eu, em quase acesso de raiva, para com estes comportamentos) .
    Olharam para mim, acharam-me louca e continuaram a criticar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estõa totalmente descrentes e assumem tudo pela mesma bitola. São todos iguais, é o que acham, e por isso votar nuns ou noutros é indiferente.
      Tenho muita pena que os políticos se tenham colocado em tão maus lençóis ao ponto da luta que travam para serem diferentes uns dos outros se resuma à igualdade aos olhos do povo.

      Eliminar
  2. Tenho medo desta eleições. Mas apelo, ide votar, todos e cada um de vós!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também tenho muito medo. Se ganham os mesmo ficamos definitivamente sem estado social.

      Eliminar
    2. Eaxacto. Como é q há quem n veja isso...

      Eliminar
  3. Eu tenho medo que o Costa seja primeiro ministro. Não que os outros sejam bons mas parece-me que não haverá pior para Portugal e todos os portugueses do que ele no poder.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não entendo o porquê de achar isso. Vota no homem? Já leu o programa?
      Eu li o programa. Tem devaneios, que tem, mas é melhor aumentar a dívida do que deixar as pessoas à morte.

      Eliminar
  4. Eu vou votar e sempre fui, mas no fundo não acredito no voto útil e não me parece que nenhum programa político vá mudar Portugal para melhor. A descrença baseia-se no sistema que temos, em que se não existe maioria o governo não consegue passar leis e os dois partidos que têm maioria não vão nunca resolver nada... Vou lá cumprir o meu dever, mas não me parece que mude nada. Curiosidade: Nas últimas eleições foram tantos os que não votaram, como os que formaram a maioria...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem sei q esse é o sentimento de mtos. Acho importante votarmos, em consciência. Seja lá em quem for, ou em ninguém se esse for o caso mas n votar é baixar os braços.

      Eliminar
    2. O voto é a única arma que temos. A única.
      Ou um golpe de estado.

      Eliminar
  5. Em síntese e concluindo

    A tua teoria é esta: Nada mais te resta senão a mudança, mesmo que a merda seja invariavelmente a mesma.

    As moscas te agradecerão
    eu... eu não

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oppose to?? Ficamos então a chafurdar na mesma merda mais 4 anos?? Ok, então está bem.

      Eliminar
    2. É importantíssimo mudar a esta altura. Se mudares também de moscas melhor. O pior é que os outros grupos de moscas não apresentam soluções credíveis para serem governo de coisa nenhuma.
      A mentalidade portuguesa é muito escrutinadora da moral e bons costumes dos outros, razão pela qual os partidos pequenos, ao menos deslize, e tem o caldo entornado.
      Vais ver se o Bloco não sobe disparado só porque a Mariana atacou as elites lá na comissão de inquérito do BES. Isso é que dá votos. Mas ela é só uma miúda, saberia lá ela governar. Estou farta de miúdos na política que andam de lambretas, só que não.

      Eliminar
    3. Já percebi, vais eleger um governo!
      Eu contento-me em eleger (mais) um deputado...

      É que a mudança da merda
      começa por ir mudando as moscas

      Eliminar
    4. Gosto mesmo de ti miúd, sei se já te tinha dito :)

      Eliminar
    5. Eu li ali em baixo o Gil dizer que o que é preciso mudar é o sistema. Mas o sistema não muda sozinho.
      Vou falar disso. A sério que vou.

      Eliminar
  6. Há mais em quem votar para além dos 3 partidos do costume. A questão é que ninguém se informa, têm medo do desconhecido e gostam de ver o senhor doutor na tv.
    Livre, PAN...tantos, nem que seja PCP ou bloco.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O voto útil está metido na cabeça das pessoas. Acham que ou se governa com maioria absoluta ou não se governa.

      Eliminar
    2. Receio q, nesta altura, o voto útil n seja apenas por uma questao de terem a maioria...

      Eliminar
  7. Mas o problema está aí...

    Mudar, sim! Mas mudar mesmo! Não mudas se escolhes o mal menor!

    Quais são as hipoteses que tens?
    Os que já lá estão, e que se lhes derem a oportunidade acabam com o país, numa loucura neo-liberal que apenas vai servir para encher empresas privadas de dinheiro com coisas como a educação, a saúde ou a segurança social!
    Os que já lá estiveram e são liderados por um Tony que ainda não conseguiu dar uma ideia do que vai fazer concretamente, ou se o tenta a mensagem não passa, e que fez parte de um governo que foi o que foi...
    O PCP, que sabe que não pode ser governo sob pena de ter de engolir o próprio pé, algo que aconteceu, por exemplo, ao Gregos!
    O Bloco? Por mais bem intencionados que sejam, vivem numa utopia!

    E sobra o quê?

    Das propostas todas que podem vir a formar governo, quem é que achas que é sério, competente, realista e desinteressado o suficiente para governar esta coisa que já nem é um país?

    Mudar sim, mas o sistema!
    Responsabilizar os políticos pelas opções que tomam no parlamento e no governo!
    Obrigá-los a prestar contas às populações dos circulos eleitorais que os elegem, pelo menos uma vez or mês em debates abertos às populações!

    Eu não quero demagogia a ser discutida na assembleia, quero ver os meus problemas e os dos meus vizinhos, os da minha cidade, do meu conselho, do meu distrito a ser lá levados e discutidos pelos deputados que elejo. E quero que esse deputado dê a cara pelas opções que tomou! Isso não se faz com um gajo a ser eleito por Faro quando vive no Porto!

    Portanto, mesmo que toda a população votasse em peso, continuávamos no mesmo problema, com os mesmos gajos a ser escolhidos por interesses dentro dos partidos e a serem-nos apresentados como a ultima coca-cola do deserto, sendo que na verdade, na maior parte das vezes, não têm capacidade para gerir uma mercearia de bairro!

    E eu até vou votar...
    ...mas em Ninguém!

    É que Ninguém se importa!

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Responsabilizar os políticos pelas opções que tomam no parlamento e no governo!

      Responsabilidade política para os governantes e vias logo as voltas que isto dava.
      Totalmente de acordo com o teu comentário.

      Eliminar
    2. Pois...

      ...Mas vê lá se algum dos partidos do arco da governação fala sequer no assunto? Tá escasso!

      Portanto sobra um "Votar para quê?" ou no meu caso "Votar em quem?"! É que, sejamos só um bocadinho realistas, ou vai para lá o Coelho ou o Tony! Queres escolher entre os dois? Achas sinceramente que algum tem perfil para governar um país? Caso aches que sim, diz-me qual, que à excepção de alguma republica das bananas nas Caraíbas ou na América do Sul, não estou mesmo a ver...

      :)

      Eliminar
    3. Mas então qual é a alternativa? Mudamos todos de país?

      Eliminar
    4. Me, My Shit and I,

      Eu diria que a alternativa passa por mudarmos o País e não de País!

      Mas como isso em Portugal é quase impossível (convenhamos que se não fossem os militares a intervir isto ainda era uma ditadura), vai continuar a aprofundar-se o fosso entre quem governa e quem é governado! E as pessoas, não vendo alternativas, vão continuar a não intervir, porque a verdade é que nenhuma alternativa é alternativa!

      Imagina por um momento que era o camarada Jerónimo o mais votado! Acreditas, nem que fosse por um simples momento, que a Europa o deixava fazer alguma coisa? Ou achas que ia ser humilhado como foram os Gregos?

      Estas eleições, tal como todas as outras desde há bastante tempo para cá, são para "inglês ver"! Os programas eleitorais estão tão desfasados das realidades das pessoas que são mera ficção cientifica, e da reles! Isto não vai mudar tão cedo e nem interessa quem é que vai para o poleiro!

      Quando vir um partido ou organização com propostas concretas e, sobretudo, realistas acerca da reforma do sistema politico Português e com hipótese de fazer alguma coisa e, sobretudo, com gente credível e desinteressada na liderança, voto neles!
      Até lá faço o meu voto de protesto contra o sistema e voto no rato Mickey, que resolve sempre todos os problemas do pessoal! E entretanto vou vendo a maioria da população continuar a pertencer a partidos como quem pertence a um clube de futebol em que o presidente pode ser um energumeno, o treinador é estúpido que nem uma porta, os jogadores não valem a ponta de um corno, as chances de ganhar um único jogo ao longo do campeonato são ínfimas, mas é o clube do coração... Porque, convenhamos, é assim que a maior parte da população vota: sem consciência no que está a votar e apenas porque pertence ao clube!

      ...e depois venham falar-me da maravilha que é a democracia representativa...
      ...(aquilo que nunca me disseram é o que é que representava, porque não é o universo do país de certeza)!

      :)

      Eliminar
    5. Referendocracia!
      Deputados sujeitos a escrutínio público, com apresentação de número mínimo de assinaturas para a elegibilidade.
      Responsabilidade penal para políticos.
      Reestruturação do sistema judicial.

      Era isto que eu queria.
      Só isto.

      Eliminar
    6. Uva,

      O sistema politico em Portugal confunde-me! Aliás, a existência de uma assembleia da republica onde os grupos parlamentares tem disciplina de voto é uma aberração!
      Seria mais simples, no final da eleição, entregar o nº de fichas de uma determinada cor ao representante do partido e, quando fosse para aprovar legislação, cada um mostrava as suas e poupava-se um horror de dinheiro em deputados, pessoal, instalações e infraestruturas!

      Em teoria os deputados da assembleia são eleitos por representatividade e por distrito! Até hoje só vi o presidente da câmara de Ponte de Lima, o Sr. Daniel Campelo, a fazer o que devia pela sua região e população e, contra as ordens do partido, violou a disciplina de voto em troca dos empregos dos seus conterrâneos. Isto é pôr o interesse das populações acima dos interesses partidários e é agir com rectidão perante as pessoas que representa!

      Não me choca que cada deputado tenha um ideal politico. No entanto eles são funcionários do estado por tempo limitado, pagos por nós para resolver os nossos problemas, e não os problemas dos partidos, pelo que deveriam ser obrigados a ir aos concelhos dos distritos onde foram eleitos tomar o pulso das aspirações e problemas das pessoas que representam e levar esses problemas, à luz da sua ideologia, para a assembleia! E depois devem voltar e explicar o que foi feito e porquê! Se não for assim, não me representam!

      Não deveria ser permitido a nenhum deputado ou ministro acumular funções!
      Não devia ser permitido a nenhum deputado ou ministro negociar com empresas com as quais já tenha trabalhado ou vir a trabalhar numa empresa com que tenha negociado enquanto em funções!
      Não devia ser permitido que sejam contratadas empresas privadas de advocacia para elaborar leis.
      Não devia ser permitida a tomada de posse para cargos políticos de pessoas com dívidas ao estado, sendo que a situação fiscal dessas pessoas deveria ser passada à lupa antes de tomarem posse!

      E sim responsabilidade penal e restruturação do sistema judicial!

      Acho que bastava isto para 4/5 deles já não se quererem candidatar a nada!

      :)

      Eliminar
  8. É que até a merda tem cambiantes de aroma e textura. Há até a que fertiliza e a que infecta.

    ResponderEliminar