16 de março de 2016

Tenho de vos contar isto

Ontem, com a cabeça cheia de raízes, pior que a imagem mais desoladora de E Tudo O Vento Levou, depois da guerra, com um autêntico buraco negro no cocuruto da cabeça, decidi-me a ir ao cabeleireiro e acabar com este drama.
Pois que estou numa zona hiper privilegiada para frequentar cabeleireiros, e se vos contasse a quantidade de salões hippie-chic-gourmet que tenho por metro quadrado na zona da minha vivência, não acreditavam como é que as coisas descambaram desta maneira. Julgo mesmo que é esta fartura que me enjoa. O mesmo acontece quando me deparo com um prato cheio de favas. Estou morta de fome, mas não toco naquilo.
Bom, ia eu dizendo que para acabar com a imagem decrépita que vinha apresentando desde o início do ano, meti um apelo no Facebook, ai ajudem-me, ai ajudem-me, e lá dos fundilhos daquela que é hoje a mais linda rede social do mundo, veio a salvação.
Eram umas 19.05h e lá estava a super-secretária enfiada num Mercedes maior que o seu gabinete, para se deslocar ao coiffeur, claro está, nunca menos que isto, localizado no Altis Grand Hotel Lisboa.
O motorista, o colega mais bacano do Rule of Law, o único que me acompanha à tasta mais tascosa de Lisboa para o belo do janquinzinho e copo de três, fez a fineza de me levar, de estacionar à porta do hotel, e a Uva Boneca muito gingona, a cabrona, com uma camisa branco-sujo com 14 anos, umas calças de elástico H&M coçadas nos joelhos, e o seu sobretudo vermelho-tijolo de corte a direito tipo... tijolo, viu a porta do bólide abrir-se e assomar-se-lhe um senhor muito simpático, com uma careca muito luzidia, que lhe estendeu a mãozinha enluvada e lhe indicou muito alegre uma porta rodopiante.

Ui, experimentem só entrar no Altis de motorista à tira-colo, caramba. Só faltava uma cadeirinha de rodas para não me cansarem as perninhas.
Desfizeram-se em amabilidades, saíram para fora da receção, e eu a dizer que não, que não, e a meter as unhas nuas e roídas em cima do balcão, e a explicar que subia sozinha no elevador.
Mas minha senhora, deixe-me ficar com o seu casaco. Nãããããããõoooooooooooooooo!!!!! Que a camisa fica-me curta nas mangas e o casaquinho vem cheio de borboto.

Perguntam vocências onde fui eu arranjar um cabeleireiro no Altis.
Ahh se vos contasse tudo não tinha piadinha nenhuma.
Sabem aquela história muito batida de que Lisboa não é mais do que um amontoado de gente que vive nos subúrbios?
Pois é, é exactamente esta gente, estes grandes profissionais, estes amigos maravilhosos que vamos cultivando e regando como raízes no cocuruto, que quase sempre nos salvam das maiores humilhações.

Obrigada S. és mesmo muito querido.
Por falar nisso, quanto é que te devo?

10 comentários:

  1. Sabes o que te digo Uva? És linda! :d O que eu me ri com este post...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agora sou linda. Antes não me parecia com ninguém.

      Eliminar
  2. Ahahahahahahahahahah...
    E depois? Deixaste lá um ordenado? Ficou bonito, o cabelo?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem sequer me cobrou vê lá! Ficou lindo. Agora sim, estou uma diva........ pintada.

      Eliminar
  3. Eu queria era ver o resultado final.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma beleza infinita. É simples de imaginar.

      Eliminar
  4. Ah, que delícia de relato. Uma fineza :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho andado que não me cabe um chícharo...

      Eliminar
  5. Olha q isso é que é finura! ;)
    Bem, pelo menos já resolveste a questão do cabeleireiro, certo?

    ResponderEliminar
  6. eheheh Agora sim, estás uma Uva toda finesse :))

    ResponderEliminar