8 de abril de 2016

Das bofetadas

Parece-me óbvio que as piores bofetadas são aquelas que recebemos da vida, em silêncio. Sem alardes, sem comentários jocosos ou de pena, ou mesmo alento, no rodapé.
Ao mesmo tempo, e por pura coincidência, a vida, como o João Soares fez com o Seabra, prometeu-me um par de bofetadas, e depois, também por pura coincidência, redimiu-se e pediu-me desculpa pelo grande maremoto que despoletou, pelas águas tão agitadas que me engoliram em ondas, pela dor (e pela vergonha) de ser assim traída, por mim própria.
São as bofetadas prometidas, as que por qualquer razão não se fizeram cumprir, as piores, as que fazem mais estragos.
A presunção destrói a certeza, supomos, como os videntes, que algo se aproxima, está para breve, é certo e ao mesmo tempo intempestivo. Lutamos com fantasmas criados pelo medo, que estão em todo o lado, olhando-nos pelas costas, mas que não estão em lado algum.
A partir de uma suposição, de uma bofetada prometida, cometem-se os piores erros. Na defensiva, como animais acossados, atacamos toda a gente, somos vítimas, somos doentes, estamos à morte.
E a vida passa. E as esplanadas estão cheias. E a primavera desperta.
E nós ali, cheios de frio, de pena, perguntando a tudo e a todos: porquê?

Quando a vida te der limões, só há uma coisa a fazer: olhar bem para aquilo, ver se aquilo são mesmo limões, espremer bem e ver se sai sumo, provar para perceber se é azedo o sumo azedo que deita. Se forem limões, afasta-os, se foram azedos, deita-os fora. Em qualquer dos casos livra-te deles.
Ninguém é obrigado a beber limonadas.
Ninguém é obrigado a sucumbir ao sabor azedo da vida.

9 comentários:

  1. Este é o teu registo de que mais gosto. Mas também gosto de limões. Não precisamos de levar bofetadas deles, uns pinguinhos chegam para fortalecer o sistema imunitário. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando digo limões digo azares, digo coisas más, digo coisas que não gostamos. O ditado diz-nos para agarrar nos limões, na porcaria, e fazer com eles qualquer coisa, mesmo azeda. Eu cá não gosto desse ditado e se a vida me der limões, eu dou-lhes uma valente bofetada.
      À séria.

      (O registo mais lúgubre da Uva vem sempre do estado de espírito mais abatido. Saem melhor as palavras, são mais sentidas, e talvez (te) façam mais sentido.)

      Eliminar
  2. ...o que não invalida que se goste de limonada!

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não gosto de limonada mas tenho a dizer-te que em parte foram os limões (os limões mesmo) que me curaram uma maleita que julgava infinita.
      Vou publicá-la aqui no blog, um dia.

      Eliminar
  3. Eu cá bebo água com limão todas as manhãs...dizem que faz bem! LOLOLO

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A minha sogra diz-me o mesmo. Já estive mais longe de experimentar.

      Eliminar
  4. Mas qd a vida te der limões, faz masé um gin ;)

    ResponderEliminar
  5. Limões? Só se for na amêndoa amarga ou em forma de chá. Mas pode ser á estalada :)

    ResponderEliminar