4 de março de 2015

Vimos uns dos outros, mas nem sempre regressamos.

Sou uma pessoa feliz no sentido em que ainda tenho vivos dois dos meus avós.
Um deles, que é meu avô, nunca foi meu avô de verdade. O meu avô de verdade, que era verdadeiramente avô, gostava mais de mim como neta do que dos netos de verdade.
Na vida de todos os dias também é assim.
Gosto de pessoas que não me são nada como se me fossem qualquer coisa. 
Depois, por outro lado, há pessoas que me são grandes coisas mas de quem não gosto nada. Talvez por ser obrigada a gostar, por haver uma pré-condição na relação, estabelecida pelos laços obrigatórios criados pela sucessão, e ainda por aquela coisa que me faz pensar muito e que é a de virmos uns dos outros.
Vimos uns dos outros, é bem verdade, mas para estarmos uns com os outros é preciso muito mais do que isso. 
Eu vim do meu avô verdadeiro, como vim de outros avós verdadeiros, mas nunca voltei a ele.
No meu ver de criança, julgava que esta desordem nas coisas era apenas um bocadinho, isto é, a desordem de não voltar ao sítio de onde tinha vindo, não seria provável no futuro, já que para uma criança o futuro segue a ordem das coisas.
Mas sucedeu-me o improvável, e a desordem que era só um bocadinho, tornou-se na coisa maior. 
Devo portanto aceitar que a desordem que tenho na minha vida, sobretudo no sentimento que tenho (ou não tenho) por aqueles que supostamente me são muito, não me sendo nada, é no fundo a minha ordem emocional das coisas; é no fundo a única ordem que existe e que persiste.
Mas não posso deixar de notar, que o meu avô sobrevivo, o meu avô verdadeiro, é o único a quem não posso voltar.
O outro avô que me deixou, deixou-me muitas coisas.
Deixou-me as saudades e deixou-me a certeza de que mais importante do que virmos uns dos outros é voltarmos, a cada dia, independemente de tudo, uns para os outros.




10 comentários:

  1. Os afectos são assim, inesperados...

    Beijo, Uvinha! :)

    ResponderEliminar
  2. Também tive 3 avós e a mais importante não era minha avó.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu tive 4 + 1
      Agora tenho 1 + 1 (e que por acaso até eram casados antigamente e já não são)

      Eliminar
  3. Infelizmente não tenho grandes lembranças dos meus avós, os meus pais eram ambos os mais novos de 9 irmãos e seus pais já eram velhinhos quando eu nasci, em contrapartida tive montes de tias, de onde vinha e para onde sempre voltava... Bjs Uva

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O meu pai teve 6 manos. Também tinha tias a dar com um pau!!!! E primos então? Ui!

      Eliminar
  4. Também vive em mim esse sentimento. Infelizmente, muitas " famílias ", são apenas um amontoado de genes distribuídos em células aleatoriamente. Só porque sim!...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha Fernanda agora é que tu disseste tudo!

      Eliminar