18 de novembro de 2014

Eu, uma filha pós-matura (Manifesto)

Celebrou-se ontem o dia da prematuridade e como sempre, cheguei tarde.
Mas como não podia deixar passar a data em branco, porque além de ser uma data importante e que chama a atenção para a angústia de muitos pais e para os problemas advindos, fez-me lembrar o meu próprio caso. Um caso muito, mas muito esdrúxulo, tão esdrúxulo que ainda hoje é... esdrúxulo.
A ver.
Em primeiro lugar foi uma situação bastante traumatizante, especialmente para a minha mãe, que engravidou ainda dezembro não tinha dado um passo, e eu só vim a nascer já setembro ia no fim, ou seja, com praticamente onze meses de gestação.
É verdade.
E foi uma carga de trabalhos, uma autêntica loucura, porque nasci irremediavelmente velha, toda encarquilhada, já com membranas interdigitais nos dedos dos pés, e a pobre da minha mãe em vez de engordar 20 kg, como é normal nas gajas que não têm pancadas na tola, engordou 40 kg porque ficou grávida mais um mês e meio do que é normal, e claro, a encher o bandulho (teima que ainda hoje lhe dura) como se não houvesse amanhã.
Eu, um bebé indefeso, ali presa e sem mais nada que fazer, enfardei tanto ou tão pouco que nasci com um peso desdenhoso de 5,450 kg o que obrigou a um parto especial, isto é, tive de nascer como nascem os betos no Hospital da Luz, de cesariana, e foi por isso que todas as professoras diziam à minha mãe que eu tinha um ligeiro atraso mental.
Enganaram-se, porque o que eu  tinha era um atraso mensal, o que nada tem a ver com deficiências na cabeça.
Entretanto, com este atraso todo, nasci já tão crescida que a minha mãe não acreditou que aquele bajolo careca, com quase 6 quilos de peso, era mesmo eu, a Uva Passa, e andou mais de uma semana, com a barriga toda agrafada, a percorrer os corredores do Santa Maria, aos berros, porque o bebé que lhe 'atribuíram' já tinha dentes como um adulto, e que não, não podia ser, porque assim era obrigada a dividir com um monstro careca o toucinho que uma prima lhe tinha trazido do Alentejo, não só para ajudar ao parto, que toda a gente sabe que para isso não há nada melhor que a gordura de um bacorinho, como para lhe matar a fome, que era negra.
E fico um bocadinho aborrecida, porque os prematuros têm um dia especial, e há eventos e festas e montes de palestras, e eu, uma pós-matura, nada, nem um pastel de nata.
Venho por isso manifestar o meu desagrado para com as autoridades, para dizer que não há justiça neste país enquanto as crianças que vieram ao mundo depois do tempo, tiverem um dia para comemorar.
Este episódio, apesar de já estar prescrito, porque afinal eu já nasci há um porradão de tempo, serve para as gerações vindouras, cujas mães são como a minha, e cito o pessoal médico: 'muito apertadinha' e cujos bebés estão de alguma forma presos por essas barrigas a fora.

                                      Fiz esta publicidade na altura, mas ainda não me pagaram.
                                       A publicidade, agora como então.... uma miséria franciscana...

35 comentários:

  1. Respostas
    1. Verdade verdadinha. Nasci bastante depois do tempo.

      Eliminar
    2. Por isso tenho este cérebro tão desenvolvido....

      Eliminar
    3. Eu conheço sei de quem tenha nascido bastante depois do tempo, às 42 semanas, e também ouvi falar de quem já viesse com dentes, mas assim, ambas as duas, ao mesmo tempo e em simultâneo, é que me parece coisa digna de fenómeno do entroncamento. Já falavas? Sabias ler e escrever?

      Eliminar
    4. Sabia escrever umas coisinhas... e já cantava: daqui não saio, daqui ninguém me tira!
      Sou uma Uva especial, de casta rara.
      A minha filha já nasceu a caminho das 42 semanas, também completamente agarrada e eu na boa. Forçaram (e muito) o parto.
      E é engraçado, somos as duas super friorentas, diz que tem a ver.

      Eliminar
    5. Essa de cantar parece a avó do Mr Mirone que se gaba de aos nove meses já entoar A Portuguesa.

      Eliminar
  2. 11 meses???? quase 6 quilos?????? Coitadinha da tua mãe!!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi cesariana. Coitadinha mas é de mim. Ali presa.

      Eliminar
  3. ahahahahahahahahahahahahahah
    (pegue lá um beijinho)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hahahahaha!
      Ora dê cá, que isso de beijinhos nunca são demais!

      Eliminar
  4. E eu a pensar que era um grande feito ter nascido com 5.200 gramas, mais grama menos grama e com quatro dentes, e vai-se a ver uma Uva vem deitar por terra toda a minha presunção.
    Só que a desgraçada com o seu metro e 56 e frágil como uma pena, teve de se amanhar para me botar cá para fora pelas vias naturais, que isso de cesariana duvido que alguém conhecesse o que era.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grande mãe a tua.
      A minha é gigante, um mulherão, e a cesariana foi já em desespero de causa. E eu estava sentada, o que dificultou ainda mais.

      Eliminar
    2. Somos irmãs de "assento"! Eu também estava sentada! :P :P

      Eliminar
  5. As mães de bebés pós-maturos merecem (sem sombra de dúvida) uma data especial. Pronto, ok. Os bebés pós-maturos também :)

    ResponderEliminar
  6. Ai Dio Santo... Porque é que eu teimo em abrir isto no local de trabalho?
    Depois pensam que estou passadinha de todo por me rir às gargalhadas.
    Diverte-me muito vir aqui.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ;) Olá!
      Isso é das coisas que mais gosto de ouvir.
      Obrigada!!!!

      Eliminar
  7. ora bem: já vinha crescida , "dentada" e estava sentada. sentada "à espera de Godot?" não. era mesmo só mesmo para sair e dar-se a conhecer, já havia de haver uma certa ansiedade... e dão-lhe com um diagnóstico de "ligeiro atraso mental" ...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sofri horrores com essa do atraso mental, porque parece que lá na minha terra, no meio infantil, nascer de cesariana era assim coisa para incapacitar as crianças para todo o sempre.

      Eliminar
  8. Nunca, em toda a minha vida tinha ouvido nada parecido com isto, a sério.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não andas a pedalar pelos sítios certos, Loira.
      ;)

      Eliminar
  9. Eu...eu... euuu... não sei o que dizer!
    Cruzes credo!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha outra.
      Mas se eu nasci anafada e saudável, qual é o problem????
      Bebés com dentes tou fartinha de ver. Tu não?.
      Esta agora...

      Eliminar
  10. Parece um episódio do "I didn't Know I Was Pregnant"... de milnovecentosetrocaopassso, claro, que nem ao fim dos 9 meses a coisa parecia estranha...
    eu heim?... cada uma!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há mais casos... muitos mais. Mas todos os que conheço têm um QI acima da média.

      Eliminar
  11. Hoje já não existe tal fenómeno, talvez por isso não haja necessidade de criar o dia. Os médicos encarregam-se de por as criancinhas cá fora, a bem ou a mal.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha que eu vim a mal, porque se soubesse o que sei hoje, a minha mãe já tinha 456789kg

      Eliminar
  12. Xiça Uva! Eu bem sabia que haverias de ser alguém mesmo em grande e olha que para atrasada mental estás muito bem. Venha de lá esse abraço e já agora um ósculo também. A dentadura mantém-se ou aqueles era os dentes de leite? :)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um ósculo é lindo!
      A dentadura é a mesma. Achas que eu faço publicidade a maus produtos é?
      Um abraço!

      Eliminar
  13. Oh, pá! Ahahahahahahah! És uma Uva muito doida! :)))

    Beijinhos Marianos, oh pós-matura! :)

    ResponderEliminar
  14. ahah com dentes? a sério? O meu namorado nasceu ao fim de 10 meses e quase com 5kg e já acho estranho. Estou sempre a dizer que a preguiça já lhe vem daí xD

    -Liliana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Liliana.
      Não sou nada preguiçosa, antes pelo contrário, fui uma menina hiperativa, cheia de problemas de concentração.
      Não tem nada a ver, acho eu.
      Ele é alentejano? Se calhar é disso ;)

      Eliminar