12 de abril de 2015

Diverte-me pensar que (ainda) há Piratas que escrevem assim.


Diverte-me pensar que aí onde te foste enfiar recebeste Herberto com um sorriso desajeitado e uma garrafa de mau vinho tinto. 
Porque entre os teus atributos e não há morte que branqueie tão pesada verdade, nem de mim seria de esperar que te desculpasse a menor falta, quanto mais esta que é das graves, nunca esteve o da escolha do vinho. 

Herberto ha-de ter-se sentado à tua mesa com um sorriso não mais ajeitado do que o teu e hão-de ter falado da substância dos ossos, da asa esquerda das borboletas, do rasto que deixa a minhoca nipónica, da velocidade dos ponteiros de uma clepsidra reinventada. ou lá essas coisas que os poetas falam quando se juntam à mesa, em redor de uma garrafa de vinho tinto, para mais, quando o vinho é péssimo e ambos estão mortos.
A ferida da tua ausência é chaga que não há meio de criar crosta para depois passar a cicatriz e a seguir a pequena marca e por fim a breve sombra. E se não há corrente de ar, inusitado verso, fotografia esquecida, que não devolva a estupefação da tua permanente indisponibilidade, o que dizer então da morte de um poeta que, ainda por cima, era um dos teus tão poucos poetas. 
Antes que me assombres na memória do jeito de voltar a cabeça para a direita, o ar sério, o maxilar inferior a mover-se lentamente, informo que podes poupar o discurso da antinostalgia. Pelo menos, por aqui, o vinho tinto é sempre de qualidade.




O fundo do blog é o negro dos mares, difícil para mim, de olhos cada vez mais sensíveis, mas a escrita é tão límpida que até os meus olhos o desculpam.

14 comentários:

  1. Não sei se «divertir» é o melhor verbo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Escolhi o verbo divertir para fazer pandant com a Cuca e com o início do post dela, que usa habilmente divertir para falar de mortos, mas na verdade o verbo mais apropriado seria contenta-me. Se não, qual seria?

      Eliminar
    2. O silêncio. Não é um verbo mas há textos assim, que a melhor forma de os apreciarmos é assim, em silêncio.
      Isto sou eu e a minha forma de ver as coisas -- a Cuca não precisa de advogada de defesa, e se calhar nem partilha do meu ponto de vista.

      Se calhar estou só a responder no choque de ver este texto em particular postado noutro sítio. O mais certo é ser só a minha sensibilidade a vir ao de cima.

      Eliminar
    3. Cara Carla, não estou certa de ter entendido o seu comentário. Considera abusivo eu ter copiado o texto de uma blogger, cujo tema lhe toca a sensibilidade, e que por tão precioso não deveria sair do seu lugar, que é um blogue, também ele público, ou deseja ser a única além dos leitores da Cuca a apreciar o texto que ela escreveu, impedindo outros leitores, por exemplo os meus, de conhecer os textos desta blogger? Na minha humilde opinião, e na verdade não pedi autorização, nem me ocorreu, a publicação de um texto de uma blogger em outro blogue é somente a constatação de que se gostou muito do texto, se preferir, um cumprimento, um parabéns, um boa!, e não para criar um choque ou ferir susceptibilidades ou sensibilidades. Se souber mais do que eu sobre se a Cuca tem ou não gosto de ver textos dela publicados em blogues alheios, diga com propriedade, que eu não sei. Até lá fica o texto do qual gostei muito, entre outros que ainda não tinha lido e que li hoje, da Cuca, aqui no Uva. Denoto um carinho especial da Carla pela Cuca, e não quero de modo algum que considere este 'roubo' como um abuso da propriedade. O texto está identificado. A Cuca, que não creio que visite o meu blogue, se calhar cá passar, poderá dizer o que tem a dizer. Ou não.
      Mas olhe que esta coisa de linkar textos e dar a conhecer trabalhos de outros, fotogtafias e arte e tudo e tudo, é do mais saudável que há, é aliás a única forma de se conhecerem os trabalhos de quem escreve online. Um abraço.

      Eliminar
    4. Uva, não é preciso tanta formalidade, ainda para mais quando já trocámos vários comentários e usámos sempre o «tu».

      A ver se me explico. Os textos da Cuca devem ser lidos e partilhados, é uma exímia escritora e sobre isso não tenho dúvidas. O meu choque -- directamente ligado à minha sensibilidade, da qual não tens como saber coisa alguma -- foi ver este texto em particular num lugar onde não contava lê-lo. Não há muito mais a acrescentar.

      Ora, é dos livros, que reacções a quente, ou em pleno espanto, não costumam dar bom resultado. Mas que fique aqui claro que a minha surpresa vem tão-só disto mesmo: não contar ler no teu espaço este texto. Não tem rigorosamente nada a ver com a partilha em si.

      Eliminar
    5. Tens razão, que estupidez esta do você. Desculpa. Achei mesmo que não eras a minha Carla e.... Vamos então recapitular que isto afinal é uma falha na comunicação e a culpa é minha. Já não é a primeira vez que publico no meu espaço textos de outros bloggers. Inclusive da Cuca. Gostava muito de perceber o teu motivo, porque posso se calhar estar a fazer alguma asneira e isso de publicar coisas de outros seja mesmo uma grande falta de educação. É que o texto é mesmo bom. Julguei que quem não conhece a Cuca ia gostar.
      Desculpa Carla, eu é que tive uma reacção a quente e fui se calhar indelicada.

      Eliminar
    6. Para descomplicar isto tudo e tu perceberes a dimensão da minha sensibilidade, eu conheço, conheci, o outro poeta em causa. É só isto. Basicamente sou uma totó sentimental que ainda não conseguiu lidar com algumas perdas e depois tenho achaques destes. (:

      Como te disse, os textos da Cuca merecem mesmo muito ser lidos, apreciados e partilhados. Fazes bem em ler e partilhar todos os que te toquem. Há tanta porcaria partilhada pela net que toda a partilha das coisas boas é pouca.

      Não tens de pedir desculpa. Estavas tu posta em sossego e cai-te um comentário afectado daqueles... Uma pessoa tem nervos, né? ((:

      Eliminar
    7. Mas olha que eu até gosto que me desassosseguem! Percebi a tua razão. O silêncio de que falavas era afinal outro. Aquilo foi escrito há tempos e pimbas, eu fui lá e trouxe-te tudo de volta. Fico contente por seres a minha Carla, e de não ter iniciado aqui uma revolução sobre direito de propriedade. Achei mesmo que não tinhas levado à paciência eu ter colocado aqui o texto, numa prespectiva de ' olha esta agora a afanar as coisas da minha Cuca!' ;)) Um forte abraço e boa noite Carla.

      Eliminar
    8. Ahaha
      Este rapaz até depois de morto consegue arranjar confusões...
      Beijinhos Carla.

      Eliminar
  2. Dos textos bonitos que já li... este foi um deles. As entrelinhas fascinam-me :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida! Muito ardiloso, criativo. Bom.

      Eliminar
  3. Estou aqui na dúvida se agradeço já ou se fico quietinha a ler estas coisas tão boas :)
    Obrigada à Uva pelo destaque.

    ResponderEliminar
  4. Ó Uva, então mas não aprendeu com a Mestra que não se pode alimentar um blogue com links de blogues alheios sob pena de Achincalhamento Eterno na Fogueira dos Infernos da Blogosfera?

    ResponderEliminar