30 de junho de 2015

To have or have not ... a dog


25 comentários:

  1. Não admira que a almofada tenha explodido, quando reparou que tinha um Pitbull em cima...
    To have or have not ... a pillow

    Já tive uma almofada assim, explodiu!...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu tenho um medo que me pelo de almofadas más. Fico sempre com dores no pescoço.
      Pitbull dispenso. Tenho ainda mais medo.
      Caguinchas... eu.

      Eliminar
  2. Respostas
    1. ACHAS?????????????????????????????? Um pitbull???? Um mini-cão ainda vá lá agora um toiro, nem pensar.

      Eliminar
  3. Granda maluca :) mas força, força. A "piquena" seguramente agradece :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha outra.
      Não compro um cão com mais de 15 cm. A Mequinhas ainda cabia perfeitamente dentro da boca deste.

      Eliminar
  4. Ahahahahahahahah... Poof!!... :DDD

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi mais: CABUMMM - anda cá que eu faço-te o mesmo.

      Eliminar
  5. Respostas
    1. Tem mesmo cara de anjo. Quando está zangado e rosna só lhe falta as asinhas para o confundirmos. Já viste bem aquela peitaça, aliás,já viste bem como é que ele deixou a almofada?

      Eliminar
  6. Pelo menos os cães conhecem os donos, são fiéis mesmo que lhes falhes a dar comida meia horinha! Já os gatos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Mequinhas conhece-me perfeitamente. Ontem falou para mim e disse: Olá Uva, isto é que são horas de chegar a casa?
      Muito inteligente.
      Hoje fez-me os pagamentos de serviços e amanhã vai pagar o condomínio.
      Gatinha linda.

      Eliminar
    2. Pois se calhar também ajuda se não for um cão de uma raça perigosa...just sayin'

      Eliminar
    3. Adoro animais. Todos. Mesmo os de raça perigosa. Mas tenho muito medo. Acho-os lindos, mas só de pensar em encontrar-me com eles na rua, já me perco em delírios.

      Eliminar
  7. Ah Ah Ah Ah Ah Ah Ah... Tenho um Boris (Dobermann) que só faz asneiras, muito parecidas com essa da almofada. O mais giro é que também faz essas 'caras' quando nos zangamos!
    Essa foto está deliciosa!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahahahahahaha. Muito giro. Só que não.
      Foi um Boris que me mordeu quando eu tinha 18 anos, no dia dos meus anos, e em cheio na minha perna vestida com umas calças novas.
      Fez-me uma cara e afinfou-me os dentes.
      Já lhe perdoei. Ontem.
      ;)

      Eliminar
  8. Eu tive um rottweiler e posso garantir que mais mimoso que aquilo não havia. E o meu era de grande porte, ou seja, mesmo grandeeeeeeeeeeeeeee... também tive muitas almofadas más, mas o raio do bicho era tãoooooooooo fofoooooooooooooo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu entendo que os donos adorem os seus big-cães, mas eu tenho muito medo.
      São muito queridos e tal, mas só não mordem aos donos e mesmo assim, às vezes lá calha.
      Estando o rottweiler nas 10 primeiras posições de cães mais inteligentes, é natural que se o dono ensinar a ser fofo e manso, ele será fofo e manso. O contrário também é verdadeiro e um animal com esse porte, se não for bem educado pode ser uma autêntica máquina de matar.

      Eliminar
    2. O meu coitado dava para os dois lados, no sentido em que foi habituado a tanto ser meigo como desconfiar de estranhos. Podíamos estar na rua, passarem outros cães e pessoas que ele estava na dele. Foi ensinado assim. O meu marido comprou-o porque foi mordido em pequeno por um cão (tem uma cicatriz na cara) e estava a "tentar" deixar de ter medo.
      Um cão daqueles quando é pequeno é muito fuffy e tal. Só que o cão fuffy cresceu e cresceu bem (pesado perto de 80 kg) e o meu marido apanhou-lhe medo (apesar de o raio do bicho ser meigo e fuffy, lá está). Também cresceu com a minha filha (tinha ela na altura três anos e ele três meses). Para onde ela ía, ía ele.
      Infelizmente tive de o "devolver" (não gosto desta palavra, porque o cão não é mercadoria) à antiga "dona" (á mãe, vá, já que a "dona" fazia criação) porque comprei um apartamento e não são permitidos animais nas partes comuns. Esteve connosco sete anos e não há nenhum dia que não me lembre dele.
      A minha filha (que tem hoje 16 anos) tem uma moldura que a acompanha para todo o lado da última fotografia onde estão os dois (literalmente ela sentada em cima dele tipo cavalo).
      Por outro lado, ninguém entrava na minha casa sem um de nós. Nem a minha sogra (estando o cão habituada a ela), nem os meus cunhados, ninguém. Se fosse connosco, na boa.

      Eliminar
    3. Pois. O perigo que isso é. Não, para mim não dava. Eu fico a tremer das pernas assim que vejo um cão preto e grande. Começo a panicar e fico mesmo mal disposta.
      Na minha rua já toda a gente sabe que se estiver um cão numa esplanada, a Uva não sai de dentro do carro. É que não sai mesmo.
      Fui mordida e era incapaz de ter um cão em minha casa maior que a minha filha e mais pesado que eu.
      E ir passear um cão desse tamanho? Deve ser uma aventura!

      Eliminar
    4. Como estava ensinado ia calminho, só quando a miúda ia é que ele a ia a "controlar"...
      Mas apesar de tudo, continuo a gostar de cães grandes. :-)

      Eliminar
  9. Com o meu também aconteceu o mesmo, mas com uma mina antipessoal no jardim… era terra e relva por todo o lado. Felizmente ele ficou bem. O ar dele demonstrava uma certa vergonha por ser um herói. É humilde o meu canito. Muito......M. Lopes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma mina antipessoal no jardim?????????? Estás a ironizar não estás?

      Eliminar
    2. Sim! É que não sabia como vos explicar, como um cão de 5 quilos consegue destruir um jardim e ficar com ar de "o quê?!? vocês não sabiam?!? Nããããõoooo?!?! Isto estava tudo minado!! Tudo!!! Aquilo na sala, é que não sei o que é....ah, o sofá?"
      Peço desculpa. M. Lopes

      Eliminar
    3. Hahahahahahahaha! E não lhe deste uma valente sova?
      ;)))))

      Tadinhos, é a brincar. São muito bons para arar os campos no Alentejo. Escusas de lá andar com o trator.

      Eliminar