11 de novembro de 2016

DE LÁPIS AFIADO

A maior parte das vezes, especialmente desde que fiz os 40, nem me dou ao trabalho de discutir nada com ninguém.
Aprendi há pouco tempo que nas relações laborais nada é 'pessoal' e que as pessoas andam sempre stressadas, independentemente do dia da semana. Basta-lhes uma coisinha de nada para se lhes atear o pequeno fósforo que trazem em cima dos ombros. Por causa deste grande ensinamento, dei comigo a imaginar as pessoas assim mesmo, como fósforos, e no meio da minha angustia, que é muita, vi-me a esboçar um sorriso.
Então vamos a isto Uva, dá lá à manivela. O que vês agora?
Vejo os fósforos moles. Aqueles que raspamos, raspamos, raspamos mas que ficam com a cabeça esborrachada na lixa. É inútil. Não se incendeiam mas também não têm cabeça para nada. Vejo também os que andam todos acesos, cheios de fogo no rabo, mas fogo na cabeça que é bom, nada. É tudo fogo de vista, tu vês o fogo, mas é só faísca.
E depois vejo os que mais me irritam: aqueles que andam sempre em manada, que não conseguem arder sozinhos, que se metem a faiscar por todos os lados e incendeiam a caixa toda. 
Por exemplo: hoje de manhã, ainda mal abria os olhos, e já tinha um fósforo laboral a incendiar-me os ouvidos. Esteve para ali a arder ferozmente durante 5 segundos, que a malta anda sempre com o pavio curto, e apagou-se todo retorcido sem que eu tivesse percebido a ideia dele. 
E eu ali, com os olhos meio mortiços, completamente apagada, sem cabeça para riscar nada.
Assim não vamos lá.
Andam para trás e para diante, a acharem-se muito iluminados, mas estão todos queimados.

Tomei um decisão. 
Para sair deste inferno quente, de fósforos sempre prontos a incendiar-me a vida, decidi que seria melhor transformar-me, modificar-me, e sem dar muito nas vistas, tornar-me diferente na essência mas parecida na forma. 
Transformei-me num lápis. Um lápis pequenino, de cabeça vermelha, sempre afiado. 
Um fósforo com um novo penteado.
    
A partir de hoje, sempre que me aparecer à frente um fósforo desarvorado, pronto para me incendiar a cabeça, espeto-lhe com o bico na barriga.
E vai ser uma grande matança!










Otherworldly Pencil Sculptures by Jennifer Maestre
http://jennifermaestre.com/

9 comentários:

  1. absolutamente Deslumbrantes.
    um objecto de criação convertido ele próprio em arte.

    Abraço cara Uva.

    ResponderEliminar
  2. Impressionante....
    Vou seguir "o conselho", mas eu vou deixar o fosforo até ao fim para que perceba que ali não há lenha para queimar....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Afia-te bem, que alguns têm uma barriga bastante rija.

      Eliminar
  3. posso também ser polvo lápis?
    posso te assaltar as imagens?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Podes tudo! Aqui podes tudo!
      Tu adoras um bom polvo!

      Eliminar
  4. Olha! Cá está! Mesmo. Sumarenta, na forma e no conteúdo, no texto e naquelas coisas maravilhosas que vai desencantar para mostrar-nos...

    ResponderEliminar
  5. Gosto! Preciso! Bem pequenino, bem afiado. Bjs Uva

    ResponderEliminar